Acesse o link: http://sites.google.com/site/chargesemsaladeaula/

sábado, 21 de novembro de 2009

MEIO-AMBIENTE





Atividades:

No dia 05 de junho, comemora-se no Brasil o Dia do Meio ambiente. Considerando as duas charges, procure responder às perguntas que o agricultor faz na primeira charge: "comemorar o quê"?

O que você pode fazer para melhorar o ambiente onde vive?

Você acredita que os governantes estão lutando para melhorar a qualidade de vida no planeta? Como?

Discussão:

Quais são os problemas mais graves envolvendo o meio-ambiente? (poluição do ar, desmatamento, poluição da água, mudança climática, etc.)

2 comentários:

  1. A charge, além de apresentar texto verbal, apresenta, ainda, o não verbal. Dessa comunhão, infindáveis interpretações podem nascer, já que os sentidos têm origem a partir do conhecimento de mundo de cada um, a partir do conhecimento que cada um possui sobre o tema exposto no texto. Assim, o trabalho com as charges, em sala de aula, suscita não só interpretações mais básicas, mas contribui para o afloramento do senso crítico dos alunos, contribui para o desenvolvimento das leituras que estão no universo dos implícitos, dos subentendidos. Os questionamentos apresentados depois de cada charge exposta no blog representam um excelente roteiro para que os alunos percebam as condições de produção desse gênero textual e, por consequência, cheguem aos efeitos de sentido gerados, visto que discussões sobre os fatores sociais, históricos e ideológicos são desencadeadas ao responderem as perguntas. A charge acima, por exemplo, faz referência a um tema intensamente discutido nos últimos dias, aliás, nos últimos anos. Conferências e mais conferências são realizadas, a fim de promoverem soluções para as questões ambientais, para as mudanças climáticas. A de Copenhague já é a 15ª e mais metas estão sendo traçadas. O mundo já está, praticamente, na UTI, como podemos constatar pela imagem da charge. E há reuniões para o estabelecimento de metas. O que precisamos é começar a agir efetivamente e rapidamente. Caso contrário, não teremos mais o que salvar: “Comemorar o quê?”. Na verdade, temos que lutar pelo o que nos resta.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Ana Paula, concordo com o que disse. A charge foi publicada em data recente, mas como você mesma aponta, o tema tem sido abordado há algum tempo. No blog do Amarildo (http://amarildocharge.wordpress.com/category/charges/), tem uma charge que foi publicada em 2007. Olha que interessante! Agora, como professora, o que acho melhor no trabalho com charges é a possibilidade de trabalhar com esse gênero textual, discutindo não apenas o que está "dito", mas também o "não dito". Sem falar na possibilidade de promover um trabalho interdisciplinar e de trabalhar a questão da oralidade, tema tão discutido nos PCN, mas que, na prática, acaba sendo deixando de lado...

    ResponderExcluir